Seven Seas

Seven Seas RPG, uma Terra em um universo paralelo no século XVII, a era de ouro da pirataria. Aventuras de capa e espada, batalhas navais e um mundo inteiro pra descobrir e explorar o aguardam.

Fale Conosco

Procurados
Procurados Seven Seas

Últimos assuntos
» Parceria com Hero Story RPG
Sex 06 Jul 2018, 15:15 por Eric-Nero

» [Aventura] Um novo começo
Sex 29 Jun 2018, 11:03 por OtakuFedido

» [Aventura] Tudo tem seu preço... A ser pago.
Qua 09 Maio 2018, 23:04 por Delara

» [Evento] Chegada ao deserto
Qua 02 Maio 2018, 09:45 por Hiruma

» [Aventura] A Escola de Feitiçaria Francis para Piratas.
Ter 10 Abr 2018, 13:11 por Francis Mc'Dowell

» [Ficha] Anne Bonny - Anne Bonny
Sex 06 Abr 2018, 08:07 por Teach

» O Barco Escravista
Qua 04 Abr 2018, 22:12 por Apolo

» [Tripulação] Bad Company
Ter 03 Abr 2018, 09:09 por Teach

» [Evento] Delegação de Persis
Sab 31 Mar 2018, 15:20 por Hiruma

Prêmios do Mês
Hiruma
Narrador
Eponine
Herói
Missão
Francis
Interpretação
Kristopher
Vilania
Staff Online

Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Por favor, faça o login para responder

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

em Sex 02 Fev 2018, 14:37

Anatol Ayh
(Escolha 1: +1 Argúcia ou +1 Panache)


O Califado de Anatol Ayh está no meio de uma grande mudança. Uma antiga terra de colinas verdejantes, rios fartos e mares azul celeste, o trono do império sempre teve umas tradição rígida. A cada de Chaghri tem governado Iskandar desde que eles se venceram os numanari no campo de batalha. Das cinzas de seus predecessores a grandeza da Casa de Chaghri prosperou. Hoje, herdeiros da dinastia Alwarithli, o governo da Sultana Safiye alcança de Persis até as fronteiras de Khemet, e sua palavra é lei até as infinitas dunas do 8º Mar.

Em sua primeira ação como sultana, Safiy aboliu as leis de seus predecessores. Ela declarou usuários de magia como cidadãos livres, abolindo o sistema de classe e decretou reformas que tornaram ela a verdadeira Imperatriz do povo. Suas reformas tem encontrado resistência, especialmente pelos membros mais ricos da sociedade Anatoli, mas os anatoli sempre seguem em frente heroicamente abrindo caminho para o resto do império. Em Iskandar, o coração de Anatol Ayh e do Império do Crescente, o dia começa quando o sino da mesquita toca sobre as águas do Rio Orfiç Boğazı, chamando aos fieis para rezar. Nos ramais do Grande Bazar, vendedores gritam para anuncias seus produtos em uma dúzia de idiomas, enquanto as paredes do Fatih Sarayı (Palácio do Conquistador) e o domo da Igreja Ortodoxa recentemente restaurado, o Ayaecclesia, enquadram o sol nascente. É um lugar de comércio, fé e, acima de tudo, poder.

A Sultana

Assim como em todos os períodos de reforma, o reinado de Safiye tem visto um crescimento em forças opositoras que buscam sua abdicação ou derrubada. A aristocracia feudal tradicional ressente suas tentativas de centralizar o poder em Iskandar. Como um lorde deve apoiar a sulana tanto por taxas como por colocar uma porção de suas forças militares a disposição dela, sua resistência enfraquece o Império do Crescente tanto economicamente quanto militarmente.

O maior golpe veio do lorde Koray ibn Mazhar que retirou suas tropas posicionadas na capital quando Safiye atacou para recuperar o trono.

Enquanto a maioria dos lordes eventualmente reuniu-se com a sultana, Koray permaneceu leal a Istani. Até mesmo hoje em dia, ele secretamente faz campanhas a outros lordes para se juntar a ele. Primeiro, encontrar o imperador perdido, que Koray acredita ainda viver, e depois ganhar força suficiente para atacar a sultana.

A sultana tem respondido às intransigências ao expandir as tropas de Janízaros, uma força seleta de infantaria que usam mosquete e competem por prestígio com a tradicional força de cavalaria. Seus convites para qualquer membro da sociedade, apesar de sua fé ou classe, tem ganhado a graça de todo o império e especialmente em casa. Ela tem colocado seu irmão mais novo Vedat encarregado das tropas, um homem temovido para tão longe da linha de sucessão que ele não tinha esperança de um dia ganhar poder. Terrivelmente abusado por Istani, apenas deixado vivo para servir de piada a corte, Vedat é extremamente leal a Safiye. Seus anos de submissão tornam ele um general que entende os homens e mulheres que trabalham sob seu comando, ganhando a lealdade necessária para a família real.

Com uma preocupação maior do que nobres infelizes está o surgimento de tradicionalistas sanguinários as províncias ao leste de Anatol Ayh. Chamando a si mesmos de Kurtanoğlu em referência ao antigo mito anatoli, esses fanáticos acreditam que a grandeza de Anatol Ayh deve ser renovada com guerras sangrentas de conquistas e não paz. O Kurtanoğlu  ve as tentativas da sultana Safiye de preservar a frágil paz dentro do Império do Crescente como uma fraqueza.

História

As origens da Casa de Chaghri permanece misteriosa. Histórias inacreditáveis traçam sua ancestralidade para um bando de cavaleiros que subjugaram o Reino de Persis e o pequeno despotismo junto aos rios Idiglat e Buranun antes de tornar seus olhos para as terras de Anatol Ayh. As Tribos do 8º Mar afirmar que a Casa de Chaghri como um deles, uma família perdida dos al-Hisan cuja justiça permitiu a eles unirem as terras dos anatoli em preparação para a chegada do Segundo Profeta.

O Xá de Persis aponta para a continuação dos regras, costumes e formas poéticas para argumentar que a Casa de Chaghri é de fato um filho teimoso de Persis e, pelas palavras do Xá Jalil, "é repugnante que o filho deva governar o pai".

Qualquer que a verdade seja, a Casa de Chaghri misturou as tradições de Persis com o 8º Mar e o aprendizado resgatado do Império numanari, criando uma cultura vital maior que a soma de suas partes. Da queda dos numanari para os dias de hoje, a história de Anatol Ayh pertence a Casa de Chaghri, e deles sozinhos.

IMPERATRIZ, SULTANA, SOBERANA

Safiye, a libertadora do Império do Crescente, é referida por muitos títulos. Ela é a imperatriz do Império do Crescente, mas também a sultana de Anatol Ayh. Safiye é discutivelmente a única e mais poderosa pessoa do imp´rio do Crescente e seus títulos denotam sua posição e responsabilidades. Quando dirigir-se a sultana pela primeira vez, é costume, e educação, recitar seu título completo:

Sua Majestade, a vitoriosa e bem-sucedida Mani Sultana, a soberana ajudada pelos Deuses, cuja vestimenta é a vitória, cuja glória é tão alta quanto o Céu, chefe da coroa real, sombra de Theus na Terra, culminação de soberania, quintessência do livro da fortuna, linha equinocial da justiça, perfeição das marés majestosas, mar de benevolência e humildade, mina de jóias da generosidade, fonte de memórias de valor, manifestação das luzes da felicidade, promulgadora das padrões de al-Din, autora da justiça nas páginas do tempo, Sultana dos dois mares, governadora do leste e oeste, protetora das santuários sagrados, sucessora ungida do Profeta da humanidade, Padishah Safiye, a Legisladora.


A Chegada de Khalil ibn Mustafa, o Segundo Profeta

No sétimo século, durante as batalhas finais entre o decrescente Império Numanari e o surgimento do Sultão anatoli Mehmet I, "O Leão Heroico", um jovem homem em vestes humildes começou a rezar nas ruas de Iskandar. Enquanto as paredes de Fatih Sarayı foi erguida para  honrar os triunfos de Mehmet, Khalil ibn Mustafa pregava humildade e incitava seus seguidores a fazer suas vidas um ato de devoção a al-Musawwir.

Sultão Mehmet não gostou da mensagem do jovem de submeter-se a um poder maior que o dele, e ordenou Khalil a assistir ele como sultão a derrotar um rebelde Bei persa. O Segundo Profeta chegou após o resultado da batalha decisiva entre o sultão e o bei, indo em direção à tenda do sultão caminhando por um campo cheio de corpos.

Com a chegada do Profeta, o sultão ordenou saber qual direito esse vira-lata incitava seus súditos a servir um poder além de seu soberano, a qual o profeta respondeu, "Eu não incito nada, apenas falo o que seu povo quer saber sobre as batalhas de a-Musawwir, o Criador, que moldou essa terra e todas as suas pessoas".

O Profeta continuou, gesticulando para o bei e a carnificina no campo de batalha, "mas eu te digo que essa chacina sem motivo ofende al-Musawwir, o piedoso, e não é de sua vontade que tais atos passem sem punição".

A bei, teve sua coragem aumentada pelas vozes do profeta, pegou uma adaga e avançou em direção ao sultão. Mehmet, famoso por sua arquearia, dispensou seu mestre de armas, deixando voar uma flecha que acertou a mulher em sua garganta. O sultão se moveu para desviar de sua faca, mas seu pé escorregou e ele fora mortalmente ferido no peito.

Enquanto o sultão, que a paz esteja com ele, deu seu último suspiro, o Profeta disse, "Então al-Musawwir, cuja justiça é infinita, puniu os dois: um pelo crime de rebeldia, outro pelo crime de barbarismo". Jalal, o filho do sultão, assistiu o discussão até o fim e abraçou o Profeta como um irmão, dizendo, "Eu aceito al-Musawwir, o expedidor de riquezas, como meu Deus, e aceito você como seu mensageiro. O que você julgar sagrado, eu protegerei, e o que você julgar pecaminoso, eu expulsarei".

O Profeta aconselhou: "Al-Musawwir o Criador pede apenas que lute pra construir assim como ele construiu e que você traga Maravilhas assim como ele trouxe".

Jalal jurou que faria isso, e por esse feito e muitos outros que viriam ele é conhecido como "Rei dos reis". Em honra dessa promessa, a monarquia anatoli se tornou não só os governantes eternos, mas também guardiões de al-Din, protetores e lugares sagrados e a espada da fé.



Última edição por Teach em Ter 13 Mar 2018, 15:29, editado 4 vez(es)

Ver perfil do usuário

em Sab 03 Fev 2018, 14:34

A Corte Real

Anatol Ayh é a província real do Império do Crescente e das leis que governam seus súditos são aquelas que o Império providencia. Em Iskandar, o local do governo é a corte real. A corte, por sua vez, é dividida em dois ramos: o Enderûn, ou ou "serviço interno", que supervisiona o funcionamento do Fatih Sarayı, e o Birûn, ou "seviço externo", responsável por todas as funções governamentais do outro lado das paredes do Palácio.

O Enderûn
O Serviço Interno é tanto poderoso quanto pedonal. Em teoria, seus deveres são mundanos: atender as necessidades pessoas da sultana Safiye, supervisionar os cozinheiros de Kilar-ı Hass e as concubinas do harém. Em prática, membros do Enderûn são os mais vivos ao ritmo e fluxo do poder e graça da aristocracia. Os departamentos do Serviço Interno então entre as divisões administrativas mais antigas no Império do Crescente, chamado de "Câmaras" em referência a seus locais tradicionais dentro do Fatih Sarayı, o Palácio do Conquistador.

O Hass Oda, ou "Câmara Privada", é a mais poderosa dessas subdivisões, composta de cortesãos que facilitam as atividades diárias da sultana. O silahdar Agha, ou chefe mestre de armas, dissemina a vontade da sultana pelo palácio. Além disso, o Silahdar Agha recomenda guardas talentosos para serem promovidos para o bostandji, uma força de elite que protege o palácio e suas pessoas.

O FETRET DEVRI
O Fetret Devri refere-se ao período de guerra civil ap´s a morte do Sultão Selim I, "o Amaldiçoado" em 819. Durante esse período, duas irmãs gêmeas, Aisha e Melike, lutaram pelo trono de Anatol Ayh resultando na vitória de Aisha e independência de Ashur (mais informações leia a Nação de Ashur). Houve duas grandes consequências para o Império do Crescente. Primeiro, isso colocou em prática o princípio do Maslaha, que um herdeiro pode suceder ao sultanato apenas se todos os seus irmãos fossem mortos. Segundo, o Fetret Devri também resultou na independência de Ashur, proclamada pela sultana Aisha durante um enigmático brinde ao "Guardião do Primeiro Jardim" após derrotar sua irmã Melike.


A atual Slahdar Agha é Hazan bint Elif, uma antiga membra do bostandji que se recusou a se aliar a imperatriz enquanto ela tomava o palácio. Uma mulher de poucas palavras, o raciocínio de Hazan do porque se manteve leal ao antigo sultão era simples — dever. QUando Hazan se tornou uma bostandji, ela fez um voto de proteger o sultão em seu trono e o palácio não importando seus sentimentos pessoas, algo que ela faria até seu último suspiro. Safiye admirou o código de honra de Hazan e recompensou suas ações a tornando a Silahdar Agha.

O Hazine Oda, ou "tesouraria privado", contem a riqueza pessoal do sultão reinante. O Khajagan, ou tesoureiro chefe, supervisiona a verba do palácio e garante que as diversões da sultana não excedam seu valor.

O Seferli Oda, ou "Câmara Expedicionária", possui responsabilidade por toda a coordenação logística de todas as campanhas militares. Como chefe está o Nizam al-Mulk, que aprova todo o orçamento militar, garantindo que as gorças armadas não enriqueçam muito com os gastos do reino. O Kilar-ı Hass, ou "Dispensa Privativa", está sob a supervisão do Mutbakh Emini, que planeja todas as refeições da suktana, controla um pequeno exército de testadores de veneno e cuida de planejar eventos para os assuntos do estado. Cada pajem do palácio, não importa quão sublime é sua linhagem, deve realizar um passeio na despensa e aprender que trabalho duro é metade do serviço.

O Birûn
As responsabilidades do Serviço Externo tem crescido com as fronteiras do Império do Crescente, e essas responsabilidades sempre crescentes tem forçado o Birûn a se dividir em três instituições reais, cada uma gerenciando uma função essencial para o governo da sultana: O Kalemye, ou "Instituição Escriba", é responsável pela administração financeira do Império, coletando taxas, distribuindo pagamentos e confirmando os feudos dos aristocratas. Como chafe está o Grande Vizir, Mehmed Ali Pasha, que também serve como concelheiro chefe para o Divã.

O Seyfiye, ou "Instituição Militar", prepara e executa estratégias militares do Império do Crescente, assim como supervisionando o exército e a marinha. Como chefe está o Ali Hakhan ul-Barrayun wa al-Bahrain, "o Lorde da terra e do mar", o chefe militar do Império. O Ilmiye, ou "Instituição Religiosa", controla a lei e educação religiosa. O chefe do Ilmiye, chamado de Xeique al-Din, possui a maior autoridade legal e religiosa no Crescente abixo apenas da sultana.

Essas três instituições estão frequentemente em discordância, cada uma tentando ganhar favor da sultana ou controle de outra instituição para forças suas idiologias políticas. O Grande Vizir, um tradicionalista que desaprova as reformas de Safiye, tem contado a muito com o favor de Ali. Se Mehmed ganhar muita influência com Ali, ele terá poder para destronar a imperatriz.

Para fortalecer seus planos, Mehmed tem influenciado a sultana de maneiras sutis para sabotar Ali e enfurece-lo. Sob a influência do Grande Vizir, Safiye colocou seu irmão Vedat encarregado das tropas de Janízaros sem consultar Ali. Enquanto a sultana tem o direito de fazer isso, o Lorde da terra e mar, um oficial experiente com um punho firme com os militares, tomou como insulto. Ele ainda se lembra disso.

Entretanto, Yonca Xeique al-Din bint Damla, uma engenhosa idosa indicada a muitos anos atrás pelo pai de Safiye como Xeique al-Din, busca ganhar favor com Ali antes do Grande Vizir possa por as mãos nos militares. Sob o comando de Safiye, Yonca pode desfazer muitos dos erros de Istani. Ela devolveu a Ayaecclesia para os Ortodoxos para usarem como igreja e finalmente terminou a inspiradora mosquita Sulan metehan Camii. Se Yonca puder convencer o religioso Ali que Safiye é realmente a voz de al-Din em alma, não só como título, a imperatriz terá o poder militar que precisa para manter controle da região. O primeiro passo de Yonca: anular a sedução da embaixadora de Montaigne em Ali, um plano obviamente orquestrado por mehmed para forçar o império em outra guerra com Castilha.

Intriga no Harém

Entre os ramos rivais da corte está o Harém Imperial. Os haréns são a primeira e principal casa da família real, mas também provê a atual sultana parceiros para prolongar a linhagem imperial, quando não estão esbanjando sua atenção na sultana, os habitantes do harém vivem uma vida de luxúria e obrigação de entreter convidados, cuidando de suas crianças e entender múltiplas formas da alta educação. Chefiando o Harém Branco e agora chefe dos Haréns está o Eunuco Bomani Chike, um ifriano que apoia a imperatriz. Opondo-se a Bomani está a chefe administradora do Harém Negro, uma sortílega, Caterina Palazzao.

Sob o comando do antigo sultão, Caterina comandava os haréns, aproveitando cada luxúria que o cargo de Chefe dos haréns tinha a oferecer. Uma vez como concubina do pai de Istani, ela nunca teve um filho e rapidamente perdeu sua graça. Subindo de cargo desde então, ela finalmente se tornou a Chefe administradora após ter usado Sortilégio em Istane para aconselha-lo. Além de seu título, ele também favorecia as concubinas que Caterina oferecia — causando muitas rivalidades entre o homem e a mulher do Harém Branco e Negro respectivamente.

Agora que Bomani está encarregado dos haréns, Caterina perdeu sua graça mais uma vez. Sob o governo de Safiye, honra é uma qualidade mais favorecida e é algo que Caterina nunca foi conhecida por ter. Acima de tudo ela odeia a a Morada de Felicidade, a cada que a sultana criou para hospedar seus irmãos e irmãs e familiares, a qual hospeda muitos de seus antigos rivais pela afeição do falecido pai da sultana. Se Bomani não prestar atenção a Caterina, ela ficará feliz de ver a Morada de Felicidade queimar até o chão.



Última edição por Teach em Sex 16 Fev 2018, 12:16, editado 1 vez(es)

Ver perfil do usuário

em Sab 03 Fev 2018, 16:02

As Reformas de Safiye

Desde que subiu ao trono três anos atrás, Sultana Safiye promulgou uma série de reformas mudando fundamentalmente o modo que o império do Crescente opera, tanto dentro do Fatih Sarayı quando fora do palácio. Essas reformas, entre outras, tem levado a seus cortesão a chamara de "Kanuni", (Legisladora). Um imperatriz do povo, suas ideias desenvolveram-se com os anos de viajem pelo império e por Théah. Escutando o chamado por uma reforma pela vasta maioria de seus súditos quando assumiu o trono, Safiye está centrada em devolver seu império de volta a seu povo.

Yasaklama, “o Proibido”
Maslaha, katabico para "o bem maior", era o princípio de governo para a sucessão do Crescente após o Fetret Devri. Sobrevivendo a carnificina que antecedeu seu reinado, Sultana Aisha decidiu que a Casa de Chaghri deveria, em suas palavras, "voltar a adaga para si mesmo" e absorver os custos de disputas pelas sucessão internamente. Desse dia em diante, o sultão ou sultana não era considerado oficialmente líder até que ele ou ela tenha executado todos seus irmãos vivos, idealmente por estrangulação ou envenenamento já que derramar sangue real é algo a ser condenado.

Sultana Safiye acredita que essa pratica levou seu irmão Istani a ataca-la e tem proibido isso desde então. Ela expandiu o harém real, construindo um suntuoso e novo complexo "a Morada de Felicidade" onde um familiar desistia da sucessão e poderia viver em confortosob os olhares do Enderûn. Devagar, todos seus irmãos e irmãs que fugiram do reinado de Istani estão retornando ao império, incluindo seu irmão Bayram a quem ela encontrou viajando por Montaigne. Quando Bayram, exilado por seu pai e caçado por seu irmão, foi recebido de braços abertos pela imperatriz causou um escândalo nas cortes. Em Théah, rumores aformam que ele participou de sabotagens políticas nas cortes de Montaigne ao contrabandear vítimas da nobreza para uma vida melhor. Pior ainda, é dito que Safiye o ajudou.

Kaldırma, “o Revogado”
Entre as leis decretadas pelo irmão da sultana Safiye estava o estabelecimento do Sihirbazların Kaydı, ou registro dos Feiticeiros. Isso permitia o Governo Imperial a obrigar o registro de todos aqueles abençoados com magia em seu domínio. Apontando que Khalil ibn Mustafa, o Segundo profeta, era uma criança de dois feiticeiros, Safiye questionou a necessidade de dar tratamento diferente a eles. Com um só golpe, ela emancipou os feiticeiros do Império do Crescente, revogando o Sihirbazların Kaydı e ordenando que os registros fossem destruídos.  Logo após isso, ela ordenou um ultimato para Persis, ordenando que Xá Jalil siga seu exemplo em uma década ou confessar ser um apóstata.

Değiştirme, “o Alterado”
Sultana Safiye também alterou um número de outros estatutos e costumes em Anatol Ayh após tomar o poder. Ela melhorou a agressiva meritocracia e natureza cosmopolitana do Birûn e Enderûn. Hoje membros do Crescente fluente em persa, dibre e katabico pode participar de um exame que, se passado, admite a pessoa para a escola real dentro do palácio real e pode eventualmente levar ele a um posto em qualquer serviço.

Além disso, os restos do antigo sistema feudal de casta foi finalmente riscado dos livros de leis ao comando da sultana. A posição de uma pessoa em Anatol Ayh e do grande Império não está mais vinculada a ela por religião, etnicidade ou classe social ao nascer. Os beis de diversos eialetes perto de Iskandar são de descendência Numanari e Beis que governam diversos eialetes na fronteira de Sarmion são Yachidi. O povo persa possui diversas posições de autoridade dentro do império do Crescente, e enquanto as tensões crescem eles se mostraram ser um canal importante de diplomacia entre Iskandar e a corte do Xá Jalil.

Religião

O Império do Crescente é uma mistura ce comunidades étnicas e religiosas, e Anatol Ayh não é exceção. Enquanto a população de Anatol Ayh é majoritariamente dinista, há um número de minorias religiosas, incluindo ortodoxos, Vaticínios teanos, Yachidi de Sarmion e yasnavani de Persis. Por causa da lei do Crescente ser explicitamente dinista em sua base, um membro desas minorias religiosas é sujeito a elas apenas se cometeu um crime contro um dinista. Crimes cometidos entre membros de duas minorias religiosas diferentes incapazes de concordar em qual lei da comunidade que deve aplicar devem serguir o padrão da lei do Crescente. Em muitos casos, entretanto, o sistema legal da vítima toma precedência.

Muito recentemente, em uma mostra de solidariedade e tolerância, Yonca Xeique al-Din deu a Ayaecclesia, a linda igreja em Iskandar tornada em um templo dinista pelo pai de Sadiye, de volta a Igreja Ortodoxa. Muitos acreditam que as ações de Yonca foram motivadas por política — uma tentativa de assegurar Ashur como um aliado. Pior ainda, lodes fora da capital suspeitaram de Yonca conspirar com Ashur para sabotar a supremacia anatoli. Contudo, para muitos dinistas, a Ayaecclesia retonar a Igreja Ortodoxa é algo bom, que convida os Ortodoxos de volta a capital e acende a chama do debate religioso, mantendo os fiéis a seus pés, e criando alianças e amizades.

Para todas as disputas, religiosas ou criminosas em uma minoria religiosa, o chefe religioso dessa comunidade é a autoridade governamental. Religiões suficientemente grandes recebem um bairro exclusivo em Iskandar e tem permissão para apontar um prelado que serve como arbitro dessa religião no Império do Crescente. Enquanto o prelado possa não ser o atual chefe da tal fé, para os propósitos de lei dentro do império ele é a maior autoridade.

Sultana Safiye é uma governante tolerante, mas ela não permite que o Hierofante do Vaticínio se intrometa nos assuntos do Crescente. Isso contrasta vivamente com Safiye dando ouvidos a outros chefes religiosos regularmente. Tal como a Xeique al-Dīn, esses chefes religiosos têm a capacidade de nomear autoridades subordinadas. Na prática, essas autoridades religiosas toleram uma grande independência local e só interferem se a preferência da localidade por um candidato ameaça a autonomia da comunidade religiosa em geral, como no caso de um nomeado que prega rebelião ou conspiração.

Yol

Al-Dīn é essencial para a cultura anatoli, apesar de Anatol Ayh ser uma das mais seculares nações do Crescente. O ensino central dos dinistas é a distinção entre a verdade externa e interna. A verdade externa é humana, defeituosa e impermanente, enquanto a verdade interior é divina e eterna. Yol, uma forma anatoli de al-Dīn, por sua vez, procura orientar seus adeptos em direção a um estado de união mística com essa verdade divina.

Coletivamente, seguidores de Yol abraçam uma variedade de caminhos para essa união, incluindo exercícios de respiração, cânticos, meditação, dança e peregrinação. Essas técnicas são ensinadas por um yol bulan kişi, que significa literalmente "desbravador", que atua como professor ou guia de uma pessoa. O propósito de todos os caminhos é nada menos do que a aniquilação do ego em busca da união divina, como é prosseguido através de estados extáticos, rituais de purificação e superação do desejo.

Um determinado adorador não está restringido a um único caminho para a união; como os guias espirituais que conduzem cada caminho com carinho dizem, "há muitos caminhos para al-Musawwir".

Ishaq ibn Qunavi é um dos mais exigentes Yol Buli kişi de Iskandar. Alto, barbudo e severo, ele inculca o pensamento crítico em seus alunos através de intensos exames filosóficos, onde os ritmos staccato implacáveis de suas perguntas empurram um aluno além de seu medo do fracasso e outras preocupações terrenas e força-o a enfrentar os limites mais profundos de tanto seu aprendizado quanto seu idioma.


Embora ostensivamente linguistas, os seguidores de Ishaq tomam como sua procupação primária a tensão entre o conhecedor e o conhecido. Implicitamente desafiando as práticas de todos os outros caminhos, os Ishaqin perguntam se os sentidos humanos podem apreender a realidade, como realmente existe, e, em caso afirmativo, se esse conhecimento pode ser transmitido a alguém que não possui experiência direta. Os Ishaqin procuram descobrir uma forma de comunicação que oblitera a distinção entre observador e observado e faz o processo didático, em vez da experiência extática, o centro do culto.



Última edição por Teach em Sab 03 Fev 2018, 18:17, editado 1 vez(es)

Ver perfil do usuário

em Sab 03 Fev 2018, 17:51

Cultura e Costumes

A cultura de Anatol Ayh existe em um estado de fluxo, onde os adeptos das tradições pré-dinistas de excelência marcial competem pela supremacia com aqueles que detêm a exortação do Segundo Profeta para "trazer maravilhas" mais altas de todas.

A cultura de Anatol Ayh existe em um estado de fluxo, onde adeptos das tradições pré-dinistas de excelência marcial competem por supremacia com aqueles que detêm a advertência do Segundo Profeta para "trazer maravilhas" acima de tudo.

O Caminho de Anatol Ayh

Depois de mil anos no centro do Império do Crescente, Anatol Ayh desenvolveu uma cultura rica e sincrética incorporando influências do 8º Mar, Ashur, Persis e Sarmion. Embora beber de muitas fontes, a cultura de Anatoli tem uma identidade distinta, conhecida como "o Caminho de Anatol Ayh", e demonstrar domínio de suas muitas formas significa sofisticação. Na verdade, esse domínio é o caminho para a aristocracia — um comerciante grosseiro, porém rico, não é bem vindo na corte, mas mais de uma pessoa de origens humildes moldou o curso dos eventos no Império do Crescente dominando o Caminho. Um mestre do Caminho não ganha nenhum título oficial, mas muitas vezes recebe o homenageado título Osda por seus colegas.

Um verdadeiro descendente de Anatol Ayh fala fluentemente nas línguas do Império do Crescente e as formas tradicionais de poesia. Essa pessoa pode compor e recitar versos em qualquer uma dessas línguas, e está familiarizado com as formas poéticas tradicionais, desde o polêmico e político qasā'id até os épicos mathnawī. São incentivadas outras formas de empreendimento artístico, e até mesmo um aristocrata indistinto pode ter talentos como ceramista, músico, pintor ou tecelão.

O Caminho de Anatol Ayh também prescreve um código de conduta: todos os cidadãos devem oferecer hospitalidade e respeito a todos, sem consideração pela classe. Um mendigo pode esperar uma recepção calorosa na casa de um aristocrata, e o trabalhador mais pobre oferece comida e abrigo a pessoas acima dele. Em face dessa generosidade, o destinatário recusa habitualmente a primeira oferta e só aceita após uma segunda oferta para provar a sinceridade do anfitrião. Essa boa vizinhança mantêm a mistura de Anatol Ayh de se separar em suas partes constituintes

Não há exigência de classe para se tornar um Osda do Caminho de Anatol Ayh, nem todos os mestres são Anatoli. Porque o Caminho está aberto a todos, a província da Coroa do Império do Crescente possui uma classe cosmopolita e sofisticada de aristocratas que representa suas muitas partes constituintes. Como resultado, nenhuma nação ou religião tem o monopólio da cultura e essa divisão pluralista do poder mantém o Império Crescente estável e unido.

O Ideal Gazi
Alguns em Anatol Ayh consideram o Caminho um compromisso sem fio que dilui a verdadeira grandeza do povo Anatoli, incorporando influências estrangeiras e, portanto, inferiores. Ouvindo os mais velhos — e em seus olhos, tradições mais verdadeiras, este fundamentalista acredita que a conquista do Império Numanari foi a expressão mais pura da grandeza de Anatoli.

Em sua narração, essa façanha foi realizada por bandos de guerreiros sagrados, conhecidas como gazis, que, com fé, fogo e espada, subjugavam os aristocratas degradados de Numanari e reivindicou Anatol Ayh para a Casa de Chaghri. Vendo as reformas multiculturais e permissivas de Safiye como um análogo contemporâneo ao Numanari decadente, aqueles que se apegam ao Gazi Ideal procuram reatar a grandeza de Anatoli através da resistência e, em alguns casos, da rebelião contra o seu governo.

Meşru Müdafa
Independentemente de gênero, origem nacional ou convicção religiosa, um residente de Anatol Ayh deve defender sua pessoa e sua propriedade. E assim Meşru Müdafa, ou artes marciais para autodefesa, ocupam um espaço desconfortável no debate cultural.

A ênfase em Meşru Müdafa existe tanto no Caminho como no ideal Gazi. O Caminho de Anatol Ayh enfatiza a beleza das formas de prática estilizadas, enquanto aqueles que abraçam o Ideal Gazi vêem-no como um primeiro passo necessário ao longo do caminho da transcendência através do conflito.

O Yarişma, um torneio anual de campeões realizado em Kadifekale, tornou-se o ponto focal das escaramuças entre adeptos de cada mentalidade cultural. Há eventos separados para cada forma de artes marciais, e um vencedor declara-se em apoio de uma visão ou outra; O Yarişma de 1665 viu o maior número de campeões gazi ainda gravados. Na tentativa de manter a competição civil, grande e emocionante, o bei de Kadifekale enviou convites para os melhores artistas marciais em Théah, Ifri e Catai convidando-os para o Yarişma este ano.

Güreş
Esculturas e arte recuperadas de ruínas pré-dinistas ao longo dos rios Idiglat e Buranun representam as competições de Güreş (luta livre). Como tal, os Anatoli consideram esta forma de luta antiga e sublime para ser a arte marcial proeminente do Império do Crescente.

Segundo a lenda, o Sultão Mehmet realizou um grande torneio Güreş para celebrar o nascimento de seu filho primogênito convidando pessoas de todas as religiões e culturas para competir; o campeão teria a honra de decidir onde construir o Fatih Sarayi. Na luta final, um Yachidi de pescoço grosso com o nome de Samson enfrentou Delara, um atleta Persa, no topo de uma colina coroada de figueiras. O concurso durou horas, estendendo-se por muito tempo na noite. Quando o sol nascente quebrou sobre o topo da colina, os dois foram encontrados mortos, seus corpos quebrados e esgotados ainda entrelaçados.

Compreendendo o presságio diante dele, o sultão ordenou que fossem sepultados sob as árvores e declarassem que seu palácio fosse construído em torno do bosque onde escolheram a morte em vez da derrota. As figueiras ainda florescem em cima de Padişahın Tepesi, agora o centro de Fatih Sarayı. Os guarda-costas mais próximos da sultana, o bostandji ou os jardineiros, são assim chamados porque seu primeiro dever é cuidar do bosque sagrado no coração do Palácio do Conquistador. Se as árvores morrerem, o conto diz que o Império do Crescente não vai sobreviver por muito tempo.

Comércio

Um ditado comum anatoli considera o comércio como um campo de batalha, e barganha um esporte acompanhado com todo o fervor da guerra. Os anatoli consideram rude comprar um item pelo preço solicitado, já que isso implica que o mercador é indigno da atenção e tempo do cliente ou que é um homem de negócios pobre e necessita de caridade. Tradicionalmente, mercador e cliente envolvem-se em uma sessão de pechincha, cada um afirmando tento privação ou camaradagem em busca de um reço aceitável. Se nenhum acordo acontecer, outro mercador que estiver escutando geralmente toma o lugar e uma nova rodada de barganha começa.

Arte e Arquitetura

Tal como acontece com a maioria dos aspectos da cultura de Anatoli, o esforço artístico em Anatol Ayh sintetiza muitas tradições, algumas nativas da província, outras apropriadas de outras culturas e recebendo um toque distintamente Anatoli.

A arquitetura de Anatoli inspira-se no Império Numanari. A maior mesquita de Anatol Ayh, o Hikmet Camii de Iskandar, é um antigo templo Numanari convertido para uso dīnista. Da mesma forma, a ênfase dinista na purificação levou os primeiros sultões a reconstruir os banhos Numanari, e hoje estas casas de banho, chamadas hamam, refletem a prosperidade do Império do Crescente em seus suntuosos móveis de mármore, cerâmica e prata.

A arte de Anatoli é igualmente variada nas suas formas e inspiração. Os ceramicistas produzem lindos azulejos pintados à mão em padrões que remanescem o distante Catai, mas com ornamentados da flora e a fauna de Anatol Ayh. Nos estúdios conhecidos como nakkaşane, um pintor trabalha para trazer a vida aos ensinamentos do Segundo Profeta através de suas ilustrações, menos preocupados com o realismo e mais com a tradição persa de evocar a verdade emocional ou espiritual por trás do conto. Finalmente, as tecelãs em teares de todos os tamanhos criam tapetes que são meio presente, meio talismã, incorporando padrões do 8º Mar ao lado de divisões decorativas contra o mal.

Ver perfil do usuário

em Sab 03 Fev 2018, 17:52

Alimentação

Para servir a imperatriz, seu séquito e os solenes convidados do palácio Imperial, o Olho da Lua emprega os mais celebrados cozinheiros do Império do Crescente. Uma reunião de toda a culinária do império são encontradas nessas cozinha assim como influências da cozinha teana, especialmente de Montaigne e Vodacce. Versões simplificadas dos luxuosos e muitas vezes inovativos pratos são redistribuidos das cozinhas imperiais para o povo comum de Anatol Ayh que recriam eles usando ingredientes locais. Massa de vodacce se tornou popular e é combinada com ingredientes tradicionais como carneiro, carne bovina, berinjela, menta, cominho, nozes ou pistache. Refeições são sempre servidas com um acompanhamento que combina o delicioso e picante iogurte de Anatol Ayh com mentas refrescantes, pepino e um pão leve, macio e plano.

Vestuário

Anatol Ayh é primariamente um país dinista, mas ele possui muitas fés e cultura diferente. Por isso, as roupas anatoli misturam culturas, tecidos e tradições. Para combater a mudança das temperaturas do país, as pessoas geralmente usam largas e confortáveis salba (calças) de algodão sob saias simples e de cores vivas. As vestes vão até o chão ou joelho, tingidas em cores suntuosas ou tecidas com listras ou outros padrões e camadas, são cobertas por um kasak (faixa) usado logo abaixo da cintura. Chapéus e chapelaria são extremamente populares.

Remetendo de volta às suas raízes Dīnist, os Anatoli transformaram a chapelaria em uma forma de arte e quanto maior, melhor. Chapéus também significam status social e um anatoli rico gosta de exibir sua riqueza com ostentação de vestuário de cabeça. Mais liberal do que seus vizinhos persas, homens e mulheres natoli geralmente mostram seus cabelos, soltos ou trançados. Os homens freqüentemente possuem e mantêm barbas e bigodes impecáveis e qualquer pessoa que sabe algo um pouco disso mantém sua aparência bem mantida e polida.

Nomes

Os nomes anatoli tem suas raízes em katabico. Um anatoli não possui sobrenome; em vez disso ela tem um segundo nome baseado no progenitor de mesmo sexo. Antes do segundo nome da pessoa, tanto ibn, "filho de", ou bint, "filha de", é usado. Pessoas que não se identificam com gênero usam um ou outro dependendo da preferência pessoal. Por exemplo, Ece bint Belinay é Ece, filha de Belinay, e Umur ibn Berkay é Umur, filho de Berkay.

Títulos são usados para distinguir melhor as pessoas, e cada título é listado após o nome da pessoa. Huban é filha de Sara e também uma bei; seus nomes em anatoli são Huban Bei bint Sara. Ocupações podem ser usadas da mesma maneira pra distinguir um nome, mas são mais usados antes do nome da pessoa. Kemal o açougueiro que é filho de Sahil seria Itci Kemal ibn Sahil.
Nomes Femininos Comuns: Aysun, Derya, Elif, Elmas, Fidan, Fatma, Mira, Nuray, Pinar, Rabia, Seyma
Nomes Masculinos Comuns: Ahmet, Aras, Efe, Hamza, Halil, Kaan, Murat, Onur, Poyraz, Taha, Yusuf, Yasin
Ocupações Comuns: Cava (guarda), Demri (ferreiro), Hati (peregrino), Hoda (professor), Itci (açougueiro), Sifti (fazendeiro)

Ver perfil do usuário

em Sab 03 Fev 2018, 18:17

O Kurtanoğlu

Um conto tão antigo quanto o povo anatoli conta de uma criança nascida por uma mãe moribunda em um campo de batalha, para quem a batalha era pão e o sangue era leite materno. Com o tempo, este órfão tornou-se um grande chefe de Anatol Ayh, levando uma loba como noiva e criando uma ninhada de filhos meio humanos e meio-lobo. Esses filhotes selvagens, cujo sobrenome era Kurtanoğlu, ou "Filho do Lobo", eram os antepassados apócrifos dos Anatoli, apoderando-se de seu destino por meio de atos talhos e destruições.

O Kurtanoğlu contemporâneo afirma ser o descendente direto desses dez abomináveis filhotes e agora tem tantas mulheres entre suas fileiras como homens. Comum a todos é a crença de que o governo de opinião pública de Sultana Safiye expressa fraqueza e que Anatol Ayh só pode recuperar sua grandeza através da violência e da conquista. Para provar isso ao povo de Anatoli, os Kurtanoğlu lançaram ataques em cidades periféricas em torno da capital do país. Safiye tentou parar o grupo com pouco sucesso. Suas "matilhas" usam guerrilha para frustrar seus militares. Se o grupo não for interrompido em breve, seu próximo plano é atacar o capital.

Esses fanáticos se estruturam em matilhas independentes, onde o homem e a mulher mais fortes governam os membros menores por meio da ameaça de violência. Qualquer cira-lata ambicioso pode desafiar o alfa de seu gênero, embora o fracasso sempre resulte na morte. Quando uma matilha constrói um grupo suficiente de recrutas leais, eles realizam uma cerimônia de indução sangrenta na escuridão da lua. Cada ninhada de neófitos deve caçar seus próprios membros durante a noite, e somente aqueles que retornam ao amanhecer com o sangue de um colega de ninhada em seus lábios são bem-vindos à matilha. Todos os outros são mortos por sua fraqueza e deixados para os abutres.

A extrema brutalidade desses zelotes deu origem a todo tipo de contos: que um Kurtanoğlu pode se transformar em horrores meio humanos e meio-lobo e comandar seus parentes menores; que ele captura os fiéis durante a lua cheia e os batiza no sangue; que somente as armas abençoadas por um Imã podem prejudicá-lo; que ele só pode ser repelido ao cantar os ensinamentos do Segundo Profeta.

Seja qual for a verdade, relatos de ataques de lobo nos eialetes orientais de Anatol Ayh aumentaram dramaticamente, e as unidades militares despachadas para investigar não encontraram nada. Os beis locais estão com os nervos a flor da pele, aterrorizados a ponto de preparar suas armas de fogo e informar que seus próprios soldados obedecem ordens dos Kurtanoğlu acima dos da sultana. Mesmo o coração de Iskandar tem rumores sobre a atividade de Kurtanoğlu. As histórias selvagens circulam nas bancas mercantes do Grande Bazar, e os bisbilhoteiros afirmam que as pessoas com a pele de feras moram de um dia nas cisternas numanari sob a cidade, emergindo com a lua para caçar os leais cidadãos da sultana e se banqueteando com sua carne.

Relações Exteriores

Ashur
Desde que garantiu a independência de Ashur após o Fetret Devri, Anatol Ayh em visto o província isolada com frustração e escárnio. Possuidores de riqueza natural, e entre uma população sem leis e um número desconhecidos de assassinos motivados por religião, Ashur é custosa a se conquistar e difícil de governar. Além disso, alguns na corte da Sultana acreditam que seria melhor se o decreto de Aisha nunca tivesse acontecido.

Persis
Relações entre Anatol Ayh e Persis se esticaram até o máximo. O amor do Xá Jalil pelo deposto — e presumidamente morto — Sultão Istani tem tornado ele em um inimigo implacável para a Sultana Safiye. Conflito é inevitável, mas a questão de quem irá causar o primeiro ataque e onde ainda falta ser determinado.

Sarmion
Sarmion tem aproveitado a sua influência desde a coroação da Sultana Safiye. Com muitos Chavra entres os bostandji, a Nação pode garantir que a imperatriz ouça preocupações que a monarquia tem diretamente, em vez de ser diluída por conselheiros. o resultado tem sido a restritividade entre as  duas Nações, especialmente com a ameça de Persis crescendo e a Sultana buscando por aliados.

Tribos do 8º Mar
Desde o desaparecimento do Sultão Istani entre as dunas ardentes, Sultana Safiye tem cultivado uma relação próxima com as Tribos, enviando presentes e sábios para as tribos. Se o seu irmão vive em algum lugar daquele deserto, ela deseja garantir que ele não construa uma base de suporte entre os clãs.

Ver perfil do usuário
#7Conteúdo patrocinado 


Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Por favor, faça o login para responder

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum

 
Parceiros
 | Banner PRNR | Naruto Dimension |  | Gray Island |  |  |  |  |  |  |  |  |  | Bulba RPG |  | :: Topsites Zonkos - [Zks] :: |