Seven Seas

Seven Seas RPG, uma Terra em um universo paralelo no século XVII, a era de ouro da pirataria. Aventuras de capa e espada, batalhas navais e um mundo inteiro pra descobrir e explorar o aguardam.

Fale Conosco

Procurados
Procurados Seven Seas

Últimos assuntos
» Parceria com Hero Story RPG
Sex 06 Jul 2018, 15:15 por Eric-Nero

» [Aventura] Um novo começo
Sex 29 Jun 2018, 11:03 por OtakuFedido

» [Aventura] Tudo tem seu preço... A ser pago.
Qua 09 Maio 2018, 23:04 por Delara

» [Evento] Chegada ao deserto
Qua 02 Maio 2018, 09:45 por Hiruma

» [Aventura] A Escola de Feitiçaria Francis para Piratas.
Ter 10 Abr 2018, 13:11 por Francis Mc'Dowell

» [Ficha] Anne Bonny - Anne Bonny
Sex 06 Abr 2018, 08:07 por Teach

» O Barco Escravista
Qua 04 Abr 2018, 22:12 por Apolo

» [Tripulação] Bad Company
Ter 03 Abr 2018, 09:09 por Teach

» [Evento] Delegação de Persis
Sab 31 Mar 2018, 15:20 por Hiruma

Prêmios do Mês
Hiruma
Narrador
Eponine
Herói
Missão
Francis
Interpretação
Kristopher
Vilania
Staff Online

Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Por favor, faça o login para responder

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

em Ter 23 Jan 2018, 15:25

Persis
(Escolha 1: +1 Panache ou +1 Determinação)


"Olhe para nossa história e você verá os maiores exemplos de nobreza e heroísmo ruírem em séculos de mal entendidos e desconfiança. Nós fizemos cada erro que nossa religião nos avisou para não fazer, em nome de nossa fé. Eu não sei se podemos salvar esse país."
Archmaga Şivan de Siphon

Persis faz fronteiras com Anatol Ayh e o 8º Mar ao oeste, o Mar de Qazvin ao norte e o Golfo Persa ao sul. O clima varia violentamente, de montanhas florestais na costa norte à áridas planícies costeiras ao sul. Montanhas rochosas e tortuosas definem as fronteiras da Nação, uma barreira desafiadora que tem frustado (mas nunca impedido) muitas ondas de invasores. Entre as partes altas, o terreno suaviza em vales paradisíacos ideais para gado, cada vale de planície definindo uma província a qual monarcas e senhores da guerra lutam por Persis.

Persis é uma lugar perigoso e tenso. Xá Jalil usa suas forças armadas e supressão ideológica para dominar dominar uma cultura independente, e passional. Agora assolado por leis imperiais proibindo a feitiçaria nativa e expressões religiosas tem incitado oposições violentas, uma rebelião inclinada a medidas desesperadoras pra expulsar as forças de ocupação. As chamas da ambição e rancor podem imolar anos de intercâmbio cultural a não ser que um Herói se oponha às mudanças da história.

O Xá

Xá Jalil Khatāʾīzadeh ascendeu ao trono em 1642. Ele imediatamente conheceu e se apaixonou pelo Califa Istani, soberano do Império do Crescente e Sultão de Anatol Ayh. Xá Jalil adotou a visão do Imperador Istani que regras anatoli precisavam substituir a cultura Persa para cementar o controle Alwarithli e modernizar Persis. Com o apoio de Istani, Jalil declarou lei marcial em Persis em 1648 para ruir na insurreição.

O exército persa, as Tropas Ilmān, se tornou a executores. Essa elite de mercenários estrangeiros despojou lugares de oração yasnavani, instituições educacionais e ginásios tradicionais persas e predominantemente vizinhanças yasnavani em busca de caçar insurgentes e separatistas. Mas no ano seguinte, Califa Istani compartilhou o gosto dessa opressão com o Império do Crescente inteiro através do Sihirbazların Kaydı (Registros dos Feiticeiros).

Sihirbazların Kaydı
O Sihirbazların Kaydı de 1649, tomado como lei pelo Xá Jalil e Imperador Istani, determinava prisão perpétua a qualquer praticante de adoração ao demonio. E como parte dessa lei, o registro chamava cada feiticeiro do império a divulgar seu nome, localização e habilidades de feitiçaria ao Av (Caçador) Imperial.

Na superfície, Sihirbazların Kaydı foi um bastião contra idolatria. Ambos dinistas e yasnavani denunciavam a adoração de demônios e as praticas de feitiçaria que elas geram. Um governador individual tinha grande arbítrio em como ele escolhe exercer a Lei. Sarmion, por exemplo, não se opôs à Lei, mas nunca a colocou em prática. Mas na Persis do Xá Jalil, os Av Imperiais tinham passe livre para investigar quaqluer yasnavani, dado que a veneração a demônios é frequentemente indistinta da prática comum yasnavani. Avcılar (aave-jeh-lash, caçadores; singular
Avcı, aave-jeh) podiam interromper qualquer serviço yasnavani procurando por "feiticeiros" ou "diabolistas".

Com um grande custo a si mesmo, por exemplo, um feiticeiro que segue a lei sairia de sua casa e viajaria até o escritório Av mais próximo, onde ele sofreria interrogatórios invasivos, ofensivos e agressivos. Um yasnavani que concordasse quebraria seu cajado, desistindo pra sempre de feitiçaria, Outros sabiam que era finalmente a hora de se rebelar.

Enquanto seus Reis e Rainhas Lutaram por Décadas...
Lutas entre imperiais e rebeldes destruíram muitos antigos lugares sagrados para os yasnavani. No melhor caso, a devastação foi uma tragédia cultural e artística. No pior, ela liberou demônios literalmente.

Historicamente, yasnavani praticaram e preservaram a art de prender demônios e Djinn. Durante o Império Haxāmanišiya, demônios pararam de causar problemas em Persis já que o governo incentivava invocadores a caça-los e prende-los em daxdanas (cemitérios a céu aberto) ou Templos de Hymn, ou dentro de mausoléus em montanhas e necrópoles. Nas últimas centenas de anos, muitos desses locais se tornaram esconderijos e locais para reunião dos rebeldes. Quando Xá Jalil compreendeu que as tropas Ilmān violaram muitos desses locais, os demônios se libertaram no mundo.

A maioria dos espíritos são assustadores, mas não são muito mais inteligentes ou ameaçadores que a vida selvagem persa. Espíritos poderosos de Djinn são sutis e difíceis de pegar. Muitos são invisíveis e intangíveis, preferindo usar indivíduos de mente fraca ou emocionalmente vulneráveis para fazer seu trabalho sujo. Feiticeiros já serviram Persis como a primeira linha de defesa contra tais monstros, porém praticar publicamente feitiçaria — ainda mais algo que envolva demônios — é uma bela maneira de atrair Avcılar. Abjuração dinista pode bloquear e dissipar uma magia usada por um demônio, mas um demônio inteiro é muito difícil até mesmo para os abjuradores mais experientes. Então o número de demônios infestando Persis continua a crescer.

Ver perfil do usuário

em Qua 24 Jan 2018, 18:43

O novo Líder

Xá Jalil e a imperatriz Safiye tratam uns aos outros com uma educação impecável. Eles tem compartilhado refeições, chá, vinho. Escutado poesia juntos e Jalil tem pessoalmente guiado Safiye por Siphon. Mas não se engane: Jalil odeia a Imperatriz. Ela condenou seu irmão, o verdadeiro amor de Jalil, a uma morte lenta e dolorosa.

Propagandistas do Xá garantiram que o primeiro tour da Imperatriz Safiye revelasse o mínimo possível de conflito e opressão possível. Não há guerra em Siphon, eles disseram. Mas os insurgentes da Chama Eternar atacaram encerrando a visita dela, atacando tanto Safiye como Jalil, porém sem sucesso graças aos guerreiros Chavra.

Safiye encerrou sua visita ao dizer ao Xá Jalil sobre o Kaldırma, a lei que ela substituiu o Registro dos Feiticeiros. Jalil protestou que a segurança nacional de Persis sofreria. Safiye lembrou a Jalil que o império significa união, proteção. Ela entpi informou aos Jalil sobre o Değiştirme, sua lei banindo qualquer sistema de casta dentro do império — Jalil diss nada. A imperatriz deu a ele dez anos para por em prática seus decretos; três já se passaram.

Enquanto o registro dos feiticeiros tem sido formalmente encerrado, o serviço de inteligência de Jalil permanece com seus registros. Eles passaram os últimos cinco anos desenvolvendo a infraestrutura para continuar vigiando, mas em segredo. No controle desse movimento está o Punho do Touro; modelado com base no Av Imperial, eles relatam diretamente a Jalil. Amira Fridazadeh, a líder do punho do Touro fanaticamente leal a Jalil, se recusa a parar até que traga cada adorador de demônio a justiça.

O cidadão comum Persa não tem certeza do que dizer de sua nova, destemida Imperatriz. Ela é inteligente e graciosa, o que conta bastante para um país que acredita que um soberano deve literalmente radiar farr, a luz da realeza. Dinistas persas duvidam de seu comprometimento de mante-los a salvo de rebeldes. Yasnavani duvidam dela por liderar al-Dīn. Seu chamado de reconciliação entre dinistas e yasnavani é atrativo, mas o qe ele via fazer para recompensar quase um milênio de desunião, com Xá Jalil ajudando o mínimo possível.

História

Para garantir que a história de persis motive até mesmos os mais jovens filhos e filhas, pais persas deleitam seus filhos com poemas épicos dos antidos monarcas da Nação, Heróis e Vilões. Eles aprendem sobre Payman, a primeira Persa, governando das montanhas e comandando humanos e feras como seu exército quando enfrentava demônios que mataram seu filho. Eles aprendem sobre Ashty, descobridor do fogo; Tahmures, o primeiro pastor, o primeiro humano a selar um demônio; e o vilanesco intruso da antiga Katab que conquistou toda Perss: Aždahâ.

Estabelecimento do Trono do Xá

Por ter tomado Persis para si mesmo, o arquidemônio Namirha, mestre das mentiras e irmão dos Deuses Yasnavani, encantou Aždahâ, um jovem lord katabico. Namirha amaldiçoou Aždahâ com serpentes gêmeas crescendo de seus ombros, sussurrando conhecimentos roubados e encantações mágicas em seus ouvidos. Sua influência levou Aždahâ a matar seu próprio pai, tomar suas terras e conquistar muitas tribos cercando sua nova capital real Siphon. Esse primeiro Xá ordenava por sacrifícios humanos diários para alimentas suas cobras no ombro, que apenas comiam cérebros humanos.

Içando seu próprio aventar em um poste, a ferreira Ziba unificou os pastores de Persis, as tribos do 8º Mar e feras da selva para resistir ao Xá Aždahâ. Suas preces por triunfo atraiu Dawna, Anjo da Vitória em seu próprio corpo. O Anjo garantiu a elas enormes asas de abutres que levaramna ao céu e deram força para usar uma clava de cabeça de touro e dobrar um arco como nenhum guerreiro poderia. Apesar da coligação de Ziba prevalecer contra o exército de humanos e demônios de Aždahâ , a benção de Namirha tinha imortalizado o rei demônio.

Ziba cravou Aždahâ em uma parede em Haykal Alzzalam, seu Templo Sombrio a Namirha abaixo do palácio real de Siphon. Lá ele se retorce em seu tormento até hoje, com suas serpentes devorando seu cérebro de novo e de novo a cada vez que se regenera. A última maldição que ele proferiu a Ziba quando foi preso: "Assim como você me condena as trevas, eu também te condeno. Um demônio nascido do seu próprio coração irá assombra-la e todos os Xá que sentarem no trono que roubou de mim". Com isso, um qarin assolou Ziba a Amada e cada Xá subsequente. Apenas o Xá pode perceber seu qarin, sua própria tendência vilanesca e auto destrutiva sussurrando e mentindo. Apenas o Xá pode selar o qarin. Nem todos os Xás conseguiram.

A Ascensão e Queda de Impérios

Xá Korvash o Grande da casa Haxāmanišiya conquistou o maior império que a Terra já tinha visto desde o Império de Aztlán, extendendo a Khemet, Numa, Curonia e Ussura ao oeste, e o 8º Mar e Catai ao leste. O Haxāmanišiya melhorou e expandiu o Códice Solar, um conjunto de leis um antigo deus do sol deu ao Rei ʿAmmurāpi of Karanduniash da Antifa Persis. O Códice estabelecia o sistema de Classes persa assim como muitas tradições governamentais e militares. Seu sistema de satrapia ainda organiza o governo persa: reis-clientes chamados de sátrapa governa províncias, mas pagam taxas e homenagens ao Shahanshah (termo persa para imperador) de Siphon. A arte persa floresceu nesse período; a tumba do Xá Haxāmanišiya , apresentava estátuas e memoráveis exemplos de arquitetura e trabalho em pedra.

Conquistadores Estrangeiros

Quando o Império Haxāmanišiya finalmente ultrapassou sua habilidade de coletar taxas, diversos sátrapas se revoltaram, o que sobrou para Iskander o Grande de Malcedon em 400AV. Malcedon tomou as propriedades da antiga Haxāmanišiya entregando de volta Anatol Ayh a seu povo e expulsando os persas para suas próprias fronteiras. Iskander o Grande reinvidicou muito do que eventualmente se tornou o Império do Crescente, deixando o resto do Império Haxāmanišiya aos Numanari.

Após a morte do Segundo profeta, comércio e intercâmbio cultural espalharam al-Din por toda Persis, para o abalo da classe superior yasnavani. O anti autoritarismo da nova religião e seus misteriosos paradoxos oareciam glorificar anarquia e mentiras. Muitos Sátrapas proibiram al-Din como "uma ameaça a civilização persa", o que eles consideravam inextricável de ahurayasna. Durante esse tempo, Anatol Ayh começou o processo de invasão a Persis e Ashur. Quando o Sultão Jalal decretou seu país um Califado e derrubou rapidamente os ashuritas, os anatoli redobraram a invasão sob o disfarce de liberar os dinistas persas. A luta entre as duas nações cessou apenas quando Vodacce atacou Sarmion em 705 AV e eles foram forçados a se unir para proteger seu aliado mútuo.

Enquanto o Sultão do Crescente substituiu o Xá em Siphon, danças, moda, poesia e costumes anatoli prosperavam em Persis. A Nação recuou primeiro culturamete, então politicamente contra a influência anatoli no nono século. Usando o caos do Fetret Devri, Persis reclamou seu país para o Xá de afastou a opressão do califa. Com sua independência, a luta para se tornar Xá entre antigos sátrapas, sem mencionar a tensão entre dinistas e yasnavani, persistindo em Persis atéo Khan de Ferro chegar.

Em 1219, o povo persa assassinou os diplomatas que os o velho Kahn de Catai enviou do leste para abrir negociações de comércio. Em retaliação, o Khan de Ferro passou os dois anos seguintes conquistando Persis. A religião livre do Canato removeu a tensão dinista-yasnavani das políticas, diminuindo os conflitos de certo modo. O Canato Gūrkāniyān Khazar permaneceu em Persis até que Khatāʾī assumiu ao poder em 1507.

Estabelecimento da Dinastia Khatāʾīd

O guerreiro-poeta Khatāʾī surfiu da Ordem Khednegu, determinado a proteger os pacíficos dinistas persas com o poder do trono. Ele liderou fanáticos dinistas à vitória sobre o impopular Gūrkāniyān Khazar, estabelecneto a Dinastia Khatāʾīd que governa Persis até hoje.

Khatāʾī entusiasticamente modernizou persis. Muitos do povo persa, especialmente as classes superiores, converteram-se a al-Din, aproveitando-se da benevolência do Xá em negociações, políticas e alta sociedade. Quando o império do Crescente invadiu Persis em 1532, o filho de Khatāʾī, Xá Tehmasib, lutou por duas décadas.

Mesmo assim, Persis foi capitulada em 1555. Na verdade, muitos dinistas persas deram boas vindas ao governante do império, solidificando seus privilégios.Indignados com os soldados do Crescente destruindo os locais sagrados yasnavani, entrando em desespero ao ver a perda da sua Nação e cultura, muitos persas — a maioria yasnavani, mas havia dinistas também — iniciaram uma insurreição que apenas cresce mais violentamente e desesperada desde então.

Ver perfil do usuário

em Sex 26 Jan 2018, 10:08

HEROÍSMO E ESCRAVIDÃO
Apenas a alguns anos atrás, a sociedade persa incluía a casta de escravos, o ardu, e muitas pessoas não estavam feliz com isso. Os vizinhos do Crescente de Persis acham essa prática cruel e datada. Para o povo persa essa era a realidade de suas vidas, seu governo, mas eles sabiam que tinha uma maneira melhor. As outras Nações do império eram belos exemplos disso. Nenhuma pessoa heroica no império ou além dele apoiava o uso de ardu, de escravos. Na verdade, se não fosse pelo Imperador Istani e suas gurras contra todos os feiticeiros, essa prática teria se tornado ilegal a muitos anos atrás.


Cultura e Costumes

Persis originou muito do que agora é considerado a cultura do Crescente. Imagens religiosas, formas poéticas, pinturas, esportes, organizações governamentais: muitos dessas coisas eram de Persis, ou é o que o povo persa afirma.

Casta e Classes
Antes de ser abolido, o Códice Solar definia três castas de pessoas: os livres, ou amelu; os escravos, ou ardu; e os mushkenu, ou todos os outros. Mobilidade social era raro sob o Códice, mas não inédito: por exemplo, um escravo poderia comprar sua liberdade, mushkenu poderia aprender um comércio privilegiado e um amelu poderia perder sua posição por cometer crimes sérios.

Amelu são nobres hereditários, oficiais do governo, oficiais do exército de elite, sacerdotes e profissionais incluindo doutores e artesões. Um crime cometido contra um amelu implica em grande retribuição, mas um amelu também sofre grandes penalidades por vários crimes para evitar que eles simplesmente escapem de qualquer problema.

Um ardu é um escravo, seus mestres direcionando suas ocupações. Entretanto, ele pode possuir propriedade (incluindo outros escravos), as quais mestres não podem confiscar. O filho de um escravo também é um escravo a não ser que se case com um amelu, nesse caso a criança é um amelu. A lei protege os direitos dos escravos também: por exemplo, o crime cometido contra um escravo é um crime contra seu mestre, e um crime cometido por um escravo é um crime de seu mestre também. Um mestre tem, um pouco, mas nem tanta, discrição sobre como punir um escravo que comete um crime: morte e danos permanentes, por exemplo, não se pode realizar a não ser que o Xá diga ao contrário.

Mushkenu são todos os outros. Não qualificados ou trabalhadores imigrantes, artesões de baixo nível, soldados alistados ou recrutados e muitos dos pobres urbanos caem nessa categoria, entre outros. É possível ter escravos, mas eles raramente fazem. A severidade de punições tanto contra e por um mushkenu são reduzidas. Um mushkenu ferindo um mushkenu implica em penalidade mínima, um amelu ferindo um amelu implica em penalidade máxima e um mushkenu ferindo um amelu ou vice versa implica em punições medianas.

A Imperatriz Safiye ordenou que o sistema de casta fosse abolido no começo de seu reinado, uma decisão que Persis lamentou primariamente porque isso gerou um inferno de papelada e libertou o ardu que providenciava uma força de trabalho barata. Apesar de toda sua maldade, Xá Jalil promulgou essa mudança rapidamene, com as leis do império sendo mais claras e diretas; mas a inércia social e burocrática ainda lutam contra. Já que esse sistema precede Xá Korvash, a maioria dos nobres persas viam as divisões de classe do Códice Solar como forma de proteção, o que agora eles haviam perdido.

Algumas de suas falhas eram inegáveis, mas agora o que acontece à propriedade que um ardu usou já que tecnicamente pertencia a seu mestre? Um amelu pode cometer pequenos delitos sem problemas, já que a maioria das fianças são inconsequente a sua fortuna? Roubar um sacerdote não é pior do que roubar um agiota?

Além disso, as ordens executivas de Safiye tem feito nada ainda para abolir a divisão informal social de classes, o que definem a vida diária e etiqueta bem mais fácil do que as distinções do sistema legal de castas. O povo persa ainda estão propensos a desprezar e desrespeitar um ex-ardu que falha em conversar diferente com um ex-amelu. Dentro de cada casta, posições sociais variavam muito: profissionais que liam e escreviam aproveitavam grande clamor social e acesso a círculos de elite e entretenimento, algo que até mesmo os melhores carpinteiros e pedreiros só poderiam sonhar em alcançar. Classismo de longa data impõe distinções sociais as quais a lei ainda não compensou.

Economia

A história persa começa com pastores criando ovelhas, bodes, burros e búfalos d'água, mulas, cavalos e vacas. Enquanto não é mais prestigioso ser um pastor em Persis do que qualquer outro tipo de camponês, defender rebanhos contra predadores e ladrões definem a identidade nacional de Persis, do mesmo modo que, por exemplo, militarismo define Eisen e Nahuacan ou navegação ser a identidade castilhana. Agricultura sustenta esses rebanhos, com trigo como a plantação mais importante seguida do arroz.

Os recursos minerais de Persis criou uma incômodo, o que atraiu conquistadores desde os primórdios de sua história. A Nação nunca irá se esgotar de sal, ferro, cobre, chumbo ou ouro.

Artesanato persa faz uma porção significativa de exportação. Cerâmica, bronze, tapeçaria, trajes finos e esculturas possuem um grande preço internacionalmente, atraindo mercadores de Théah, Ifri Catai e Atabea.

Família

O povo persa normalmente vive em complexos residenciais com a família inteira. Em cidades, famílias muitas vezes especializam em um negócio e comércio com outros por necessidade fora desse negócio. Complexos familiares rurais tem como finalidade serem auto suficientes. Eles colhem a próprias comida, educam seus próprios filhos até o nível secundário e administram seus próprios doentes e feridos. Idosos velhos demais para trabalhar lideram e falam por esses complexos. Múltiplas famílias se juntam fora desses complexos para venerar. Nos últimos anos, opressão tem afastado muito da veneração yasnavani para dentro do espaço familiar. O lar se tornou um Templo de Hymn improvisado para vamílias yasnavani, muitos também atendem a serviços dinistas para evitar suspeitas.

Vestuário

Modéstia exige a um cidadão persa ou visitante ao país a cobrir sua cabeça e minimizar o quanto de pele ele mostra, especialmente ombros ou pernas — apesar de que as noites frias e ventosas até mesmo no verão e o sol quente mantem você nesse hábito melhor do que qualquer lei de modéstia. Em áreas de alta segurança, o Ilmān pede aos cidadãos que removam seu véu casa tenha um.

Cada passo da vida prioriza boa escovação e roupas sofisticadas. Ou você se parece como se pensou no que vestir de manhã ou você é um delinquente social. Até mesmo as vestes mais baratas são bonitas, confortáveis e duráveis. Cores brilhantes e em contraste aparecem mesmo nas mais pobres, e nada — nada — é precário. O povo persa geralmente se veste em camadas, mas a vestimenta básica para todos os gêneros consiste de uma camisa; calças largas; um colete, casaco ou manto; botas; e é claro um chapéu, turbante ou lenço. Lã é o material mais comum, apesar de que roupas mais finas incorporam uma grande quantidade de algodão, seda e metais preciosos. Renda disponível vai para joalherias elaboradas ou para enfeites de chapéus impressionantes; os ricos frequentemente usam longas barbas e cabelos e arranjam eles em arranjos elaborados usando jóias e tiaras.

Alimentação

Mel, Melaço, açúcar. O povo persa possuem paixão por doces. Comida persa combina frutas secas como tâmaras, uva passa e figos em muitos pratos saborosos. Doces são muitas vezes mergulhados em mel ou melaço e cobertos com pistache ou nozes.

Açafrão, um tempero importante na cozinha de Persis, pode ser encontrado em pratos doces e salgados. Feito do estigma de flores, o açafrão não só adiciona cor à comida, mas para a paisagem também. Quando os campos púrpuras de açafrão florescem, é uma visão de tirar o fôlego.

Nas regiões de Persis onde Ahurayasna predomina, pratos com frango e cordeiros tem popularmente substituído a carne bovina. Frango recheado com pistache é servido com ricos molhos e arroz amarelado por açafrão que foi lavado, encharcado e cozido a perfeição. Para experienciar completamente a cozinha persa, o melhor é ter sua refeição em uma noite úmida em uma dos muitos jardins cobertos onde o doce aroma das flores mistura-se com o da comida.

Ver perfil do usuário

em Sex 26 Jan 2018, 11:22

Nomes

Um persa predominantemente usa um único nome local, de origem katabica ou numanari. Nomes de Heróis épicos ou até mesmo de ahuras são comuns. Para desambiguação ou quando viajando em um país estrangeiro que usa sobrenomes, ele adiciona um patronímico — o nome do progenitor de mesmo gênero junto com o sufixo "-zadeh" (descendente de) — ou um topônimo — normalmente formado da variante de sua cidade acabando com a letra "i".

Então o filho de Musa, Rostam, que vive em Siphon, principalmente se apresentará como Rostam; mas se ele visitar Avalon ele pode se apresentar como Senhor Musazadeh ou Senhor Tesifoni. O nome de algumas pessoas também tem versões numanari como alternativas a tornar mais fácil a pronúncia a estrangeiros.

Nomes Masculinos Comuns: Ardashir, Baraz, Korvash, Khashayarsha, Dārayavahush, Eskandar, Fereydoun, Hossein, Jamshid, Kambiz, Mehrdad, Nima, Payam, Reza, Sam, Vahid, Yasin, Zartosht
Nomes Femininos Comuns: Arezu, Bahar, Delara, Fairuza, Ghoncheh, Hamide, Katayun, Laleh, Mahsa, Narges, Parastu, Roshanara, Sakineh, Yasamin, Zeynab Unisex Names: Azar, Çinar, Dilshad, Ehsan, Golshan, Golzar, Hozan, Iman, Khurshid, Omid, Roshan, Shahnaz

Forças Armadas

O exército persa já liderou o Haxāmanišiya a conquistar o meior império que o mundo já viu. Agora ele policia a população que jurou defender. Persis é mais conhecida por suas unidades especializadas, que fazem um limitado número de coisas extremamente bem.

Immortals
Os numanari apelidaram eles de "Athanatoi", ou "Imortais", porque assim que um soldado caia, outro imediatamente tomava o seu lugar. Vestido em camadas de armaduras com escamas, os Imortais carregavam arcos e fundas, mas especializavam em combate corpo a corpo com largos escudos, lanças curtas, espadas e adagas.

Imortais atualmente usam versões modernas daquelas armas e armaduras, preenchendo a infantaria pesada dos exércitos persa e do Crescente. Sendo melhores para lutar em áreas edificadas ou em brechas das paredes da fortaleza.

Catafractários
Essa cavalaria equivalente aos imortais vem de outro epíteto numanari descrevendo suas armaduras da cabeça aos pés. Um catafractário luta com um escudo e ou uma lança ou sagaris (um martelo ou machado). Se especializando em flanquear rapidamente e finalizar as seções que o resto do exército enfraqueceu.

Executores
O titulo dessa seção vem do hábito de certos Xás de ter elefantes para esmagarem seus prisioneiros. Os Executores montam elefantes de guerra. Elefantes — quase desconhecidos em guerras modernas já que muitos estrategistas aprenderam a lutar contra eles a muito tempo atrás — devastam inimigos despreparados. Os executores lutam com longas lanças e mosquetes no howdah, cela do elefante, ou disparam pequenos canhos e balistas montados nas costas do elefantes.

Exército Tribal
Em troca de terra ou riqueza do Xá Jalil, um chefe tribal ou sátrapa possui suas próprias tropas para providenciar a maioria do exército persa. Essas seções podem ser qualquer coisa de arqueiros a cavalo a membros de artilharia, mas a maioria cavalga a cavalos ou camelos.

Ilmān
Xá Tehmasib formou a Tropa Ilmān durante a invasão anatoli no século dezeseis em contrapartida aos Janízaros, recrutando os piores prisioneiros de guerra das regiões que Persis havia conquistado. A primeira seção persa a adotar mosquetes universalmente, Ilmān são tecnicamente ardu, mas receberam salários altos e grande clamor social.

Xá Jalil transformou o Ilmān em sua polícia militar, cogitando que ele poderia facilmente obrigar escravos estrangeiros a controlar o povo rebelde persa. O Ilmān odiou essa tarefa e a luta sem fim contra as forças rebeldes. Quando Safiye aboliu o sistema de casta, o Ilmān pensou que sua guerar de ódio tinha acabado; mas Xá Jalil e seu qarin deram um destino pior a eles.

Sua magia proibida permite a ele mudar pensamentos ao invocar qarin menores. Até agora ele tem testado seus poderes nos Ilmān, implantando lealdade e ordens para garantir nenhuma interrupção em seu serviço.

Pahlavani
O termo pahlavan literalmente significa lutador, mas comumente se referi a um guerreiro rebelde, que normalmente se encontra em zurkhānehs no começo da insurreição (apesar de agora preferir lugares que chamam menos atenção). Um pahlavan prioriza furtividade e mobilidade em vez de armadura, se vestindo com roupas de coloração escura, para se misturar em becos escuros ou grandes multidões.

Um rebelde tem dificuldades para por as mãos em um mosquete, apesar da Companhia de Troca Atabeana ter contactado várias facções rebeldes esperando mudar isso. Muitas armas são feitas para emboscadas ou brigas de casa em casa: arcos, funda, pistolas baratas, granadas improvisadas, porretes, espadas curtas e facas. Veneno de cobra é colocado em muitos armamentos.

Ichneumons
Um ichneumon não é um soldado regular, mas um especialista de Danavad, uma cidade dinista não norte de Persis. Essa sociedade defente dinistas em geral e pacifistas em particulares Eles treinam com o arco composto e recurvo, popular pelo antigo Império Khazar. Enquanto ele necessita de muito mais força que um mosquete, essa arma é incomparavelmente quieta, rápida de recarregar e mais precisa a até quatro vezes seu alcance.

Ele vai e volta como quiser; enquanto ainda que oficialmente um membro do militarismo persa, ele recebe uma grande quantidade de liberdade. Ele usa a tradicional máscara persa para não revelar sua identidade, e fala pouco — sua natureza imponente assusta a maioria das pessoas que desejam fazer perguntas a ele.

O mais próximo a um comandante oficial que os Ichneumons tem é uma capelã dinista, Gilda Banuzadeh, que passa planos de batalhas aos Ichneumons deixando notas em templos. Nos anos recentes, esse regime militar tem tido um contato crescente com a imperatriz, para desgosto do Xá Jalil. Sob encorajamento da imperatriz, Gilda tem secretamente redobrado seus esforços para encontrar um antigo artefato dinista — o Jornal de Muna, de um dos seguidores mais leais a Khalil. Em suas páginas está tudo sobre a crença de Khalil em protesto pacífico e bondade. Se Safiye colocar suas mãos nesse texto, apoiaria ainda mais a suas novas leis, algo que Jalil quer parar por qualquer meio necessário.

Ver perfil do usuário

em Sex 26 Jan 2018, 13:50

Política

Insurreição Persa
Em muitas Nações, as maquinações políticas das classes superiores enfurecem e descontrai sem nunca chegar ao povo comum. Persis não é um desses países. A zona de guerra pela Nação, política e ideologia arrasta camponeses e vizires iguais em suas linhas de frente.

Antes de Xá Jalil assumir ao trono, insurgentes persas foram divididos em poucos partidos, mas todos queria a independência persa do Império do Crescente. Agora, a face da rebelião mudou. Alguns ainda luta pela independência persa, mas muitos mudaram seus esforços para dentro das fronteiras, lutando contra as arcaicas leis de Jalil e correndo para salvar o que sobrou da sociedade yasnavani na Nação.

As Penas de Simurgh
As penas de Simurgh são a fação rebelde mais moderada. Eles se nomearam após o lendário Simurgh, o rei de todos os pássaros, que aparece tanto no folclore dinista quando yasnavani, e cujas penas tem propriedades mágicas. No começo da rebelião, os membros não tinha nenhuma demanda adicional além da liberdade de Persis do império. Agora com ambos dinistas e yasnavani, eles imaginam uma Persis livre incluindo harmonia entre al-Din e Ahurayasna, retornando à liberdade de religião que Persis teve sobre o reinado de Khazari.

Já que o Xá Jalil reforçou sua prensas no país, um homem chamado de Sajad Dariushzadeh tomou controle da facção. Suas sensíveis visões pró-califado mudaram o objetivo das Penas: depor o Xá louco antes que ele dizime o país. Para isso a facção secretamente trabalha contra os planos do Xá, tendo diversos confrontos contra o Punho do Touro enquanto eles protegem os Feiticeiros persas da opressão.

A Chama Eterna
A conservativa Chama Eterna tem ganhado força nos anos recentes. Um membro defende a restauração de Ahurayasna como a religião de Persis, assim como a expulsão das influências do califado de Persis. Um membro no se opõe explicitamente a Al-Din, mas generalmente representa sua primazia no que ele ve como uma Nação Ahurayasna. As Chamas tem lançado diversos ataques a mesquitas e comunidades dinistas.

A estratégia de um membro involve ação em cada nível de resistência. Ele cria protestos não violentos e atos de desobedi~encia civil em larga escala, envia agentes para infiltrar o governo do Crescente para sabotar operações e concocar células de soldados a atacar o exército persa.

A Áspide Bivar
Essa facção nomeada por uns dos epítetos de Aždahâ, Áspide Bivar (Dez Mil Cavalos). Os membros querem o trono do Xá restaurado, mas não para Ziba a Amada, a quem eles acreditam ter falhado com Persis. Eles querem os descedentes de Aždahâ no trono, por qualquer meio necessário. Um Xá da linhagem de Aždahâ pode liberar Aždahâ para criar sua vingança na Nação que o traiu, deixando Namirha assolar o mundo mais uma vez.

Esse extremismo torna o Dez Mil Cavalos a facção rebelde mais temida. Seus operativos de baixo nível, bandidos e terroristas, batendo em dervixe, queimando mesquitas e envenenando suprimentos d'água o mais flagrante possível. Porém pior ainda são as Cobras no Ombro: mercenários de elite, sabotadores e espiões que infiltram-se na burocracia e militarismo imperial, pesando na balança para o caos e desordem uma morte que parece acidental ou documento roubado alguma hora. O líder dos Cavalos é Sepideh Aždahâzadeh, descendente de Aždahâ, que ensina os poderes de serpentes de Aždahâzadeh para ávidos Cobras no Ombro que assolam o império.

O Culto do Pavão
Brîska Naynawi começou a pregar o evangelho do Anjo Pavão Azazel. Uma tropa de Ilmān chegou até Naynawi zurkhāneh quasse que imediatamente para prende-la por heresia, mas ela os mandou embora com flechas de pena de pavão. Agora ela viaja de cidade a cidade perto de Karanduniash, atraindo novos seguidores, destruindo Djinn malignos com flechas sagradas. Ela busca os outros seis anjos no coro de Azazel, a quem ela suspeita ter escolhido profetas ou campeões assim como Azazel escolheu ela. Enquanto isso, ela tem desviado das autoridades persas assim como radicais yasnavani que não querem esse assunto de amor e união levantar sua insurreição teocrática.

Relações Exteriores

Anatol Ayh
Relações entre Anatol Ayh e Persis tem sido sempre tendo. Quando Istani ascendeu ao trono do império, tensões políticas melhoraram, mas agora estão de volta mais fortes do que nunca. Muitos povos comuns em Persis admiram a nova imperatriz pelo que ela fez para o império, mas eles são incapazes de expressar seu apoio por medo do Xá ou grupos extremistas de insurgentes.

Ashur
Relações entre ashutiras e persas são virtualmente inexistentes já que ambas nações raramente tem motivos pra cruzarem seus caminhos. Recentemente, rumores dizem que "oficiais do governo" tentaram empregar Assassinos para uma missão de matar a Imperatriz, mas foram rapidamente recusados. Se isso é ou não verdade, atitudes ashuritas com Persis tem piorado devido a implicação de que seus protetores nacionais são tão facilmente contratados para eliminar alvos Heroicos.

Sarmion
Sarmion e sua realiza apoiou a imperatriz a tomar o trono do império e em troca o Xá de Persis lançou uma grande maldição na Nação, o que causou muitas de suas tribos a desaparecerem. Enquanto Sarmion não possui provas do que o Xá fez, sua opressão sem piedade contro usuários de magia e intolerância religiosa tem fechado qualquer chance de amizade entre as duas Nações.

Tribos do 8º Mar
De todas as Nações no império, as Tribos do 8º Mar compartilham mais ligações com Persis. Muitos líderes tribais mantêm relações com Persis até hoje, aproveitando-se do forte vínculo um com o outro. Recentemente, as tribos tem aceitado refugiados yasnavani fugindo dos Avcılar. Isso tem gerado um desgaste nas relações Persa-Tribal já que a etiqueta requer às tribos a aceitar os refugiados e mante-los a salvo, mas muitos vêem isso como indelicadeza do governo persa que essencialmente força os refugiados neles.

Ver perfil do usuário
#6Conteúdo patrocinado 


Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Por favor, faça o login para responder

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum

 
Parceiros
 | Banner PRNR | Naruto Dimension |  | Gray Island |  |  |  |  |  |  |  |  |  | Bulba RPG |  | :: Topsites Zonkos - [Zks] :: |